Você acredita em alienigenas?

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

O mistério dos Dropa

Em uma expedição arqueológica realizada em 1938 nas montanhas de BayanKara-Ula, que faz parte da cordilheira do Himalaia, na China. Estes arqueólogos faziam uma pesquisa de rotina, investigando cavernas. Mas em certa caverna, foram surpreendidos por terem encontrados algumas sepulturas dispostas ordenadamente. Cavaram as sepulturas e encontraram pequenos esqueletos com formas estranhas, descritas como sendo frágeis e com cabeças grandes. Além de terem encontrado desenhos de seres montados com palitos, baixa estatura e com a cabeça grande, um bocado similar aos esqueletos, junto a isso imagens de estrelas e planetas. E próximo às paredes acharam mais de 700 discos de pedra com 30 cm de diâmetro e cerca de um cm de espessura. Estes discos possuíam um furo no centro e inscrições que se assemelhavam a hieróglifos, e apresentavam-se como espirais, iniciando do centro. Cerca de 20 anos depois, um chinês especialista em decifrar hieróglifos e escritas cuneiformes pediu para analisar os textos dos discos. Durante muito tempo este chinês analisou os discos e finalmente três anos depois, ele publicou o que descobriu. Aqueles que escreveram nos discos se denominavam Dropa, e diziam que há 12000 anos houve um pouco forçado onde hoje é a China e acabaram vivendo na região. Porém nenhum dos cientistas da época apoiou este chinês que dizia ter decifrado os textos. Diziam que tudo não se passava de invenção do homem. Por isso ele foi obrigado a abandonar o que tinha feito até o momento e saiu da China. Anos depois muitas notícias sobre o caso em revistas e jornais. Muito se discutiu sobre o assunto, céticos reclamavam a falta de provas, defensores do caso sempre apoiavam.

Acima vemos uma das únicas imagens dos tais discos vistos em 1974
Mas se vermos alguns dos textos que o cientista diz ter traduzido, lá diz que os Dropa vieram da constelação de Sírius. E desta constelação já sabemos que deuses Egípcios, Dogon entre outros. Quando voltamos à região onde foram achados os discos e os esqueletos, encontramos uma cidade com pessoas de baixa estatura vivendo na cidade de Huilong. E segundo muitos crentes, seriam híbridos entre os alienígenas vindos deste acidente e humanos. Mas nada comprovado, fora que o governo diz que a causa do nanismo é a poluição da água na região. No final dos anos 60, cientistas russos pediram para analisar os discos, notaram que se pareciam muito com os LP's. E como LP's, os russos colocaram em pratos giratórios e testaram os discos. Descobriram que emanou muita energia, e que então provavelmente foram criados em um local com um grande campo de energia. Após isso, pelo que se sabe os russos nunca devolveram os discos para os chineses. E em 1974, um engenheiro austríaco, viajando na cidade de Xian, e conhecedor da história dos Dropa, fez uma visita a um museu. E neste museu, deparou-se com discos de pedra estranhos, perguntou a curadora do museu sobre aquilo, e ela disse que eram apenas relíquias. O engenheiro tirou fotografias e voltou para a Áustria. Aquilo foi divulgado na imprensa e anos depois discutido por ufólogos, estes que foram até o museu e descobriram que dias após a divulgação das informações colhidas pelo austríaco, a curadora e os discos desapareceram. Até hoje não existem provas físicas do caso, porém quando questionado, o governo sempre diz que não pode revelar informações sobre o ocorrido. Se nada existisse, então revelariam o que foi pesquisado na época ou simplesmente diriam que nada ocorreu. Além de há muitos anos, se utilizar discos de jade ao redor dos corpos de grandes generais e comandantes mortos. Discos de jade são muito similares aos encontrados como vemos abaixo
Claramente criou-se uma conspiração sobre este fato, não se sabe o que ocorreu na realidade e nem se realmente foi algo real, se foi uma história aumentada ou se foi algo que se fomentou baseando-se apenas na cidade de anões na região. Então resta a nós apenas imaginarmos o que ocorreu ou decidirmos se acreditamos em um pouco, em tudo ou em nada.